Receba nossas Postagens por E-mail

ACONTECE NO BRASIL - PROJETO EDUCAÇÃO DE VALORES



EDUCAÇÃO DE VALORES: UM DESAFIO DO DIREITO EM BUSCA DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE, DA CIDADANIA E DO RESPEITO À DIFERENÇA NA FORMAÇÃO ÉTICA DOS INDIVÍDUOS.


O enfrentamento a corrupção, além das medidas preventivas e operacionais dos diversos atores, como Ministério Público, Controladoria Geral da União, polícias, tribunais de contas  passa pelas estratégias para o combate a corrupção primária. O ACONTECE NO BRASIL  traz hoje a experiência exitosa desenvolvida em Rio Verde/GO, pela Promotora de Justiça,  Renata Dantas, EDUCAÇÃO DE VALORES, tema da live no instagram @construindo_cidadania. Vamos conhecer:

"Ao iniciar minhas atividades, em 2011, na titularidade da 4ª Promotoria de Justiça de Rio Verde/GO, que tem por atribuição a Defesa do Patrimônio Público e o Combate à Corrupção, uma das questões que passou a me afligir foi a expectativa de tentar fazer algo que trouxesse um resultado, ainda que a médio ou longo prazo, na diminuição dos casos de corrupção.


Após fazer duas especializações, uma com o tema Prevenção e Repressão à Corrupção – Aspectos Teóricos e Práticos” pela Sociedade de Ensino Superior Estácio de Sá (Pós Estácio/CERS) e outra com o tema “Políticas Públicas”, pela  Universidade Autônoma de Barcelona, passei a idealizar o projeto e implantá-lo. A intenção do projeto foi trabalhar com as escolas do município e mais especificamente com crianças do 6º ano, para tentar desenvolver as noções de cidadania, de ética, mostrar para nossas crianças que ter um comportamento ético e correto é possível e é necessário.

O objetivo do projeto é não apenas instruir as crianças, mas assim permitir que sejam multiplicadoras, ou seja, que possam atuar junto a suas famílias e seus amigos e com quem forem se relacionar, demonstrando e exigindo destas pessoas um comportamento mais ético.


A educação viabiliza troca de informações, interação e, o mais importante, ela promove a apropriação de todo e qualquer tipo de conhecimento. Em razão disto, trabalhar a cidadania como uma forma de resgatar e/ou proteger uma sociedade pode transformá-la! Para tanto, o resgate da identidade cultural é uma tarefa que deve ser executada continuamente.

Daí o nosso projeto busca trabalhar em conjunto com os professores dos 6º anos, entremeando em todas as disciplinas noções de cidadania e ética, na intenção de mostrar para as crianças que a integridade tem o poder de interromper o ciclo.
Os valores morais, como ensina a psicologia, são construídos a partir da interação da criança com os diversos ambientes sociais e será durante a convivência diária, principalmente com o adulto, que ela construirá seus valores, princípios e normas morais.

O projeto firma-se, como dito, no reforço positivo de comportamentos adequados, permitindo que as crianças assimilem com naturalidade os conceitos de valores, de ética e de cidadania, exatamente em razão do que a Psicologia nos ensina, que os valores morais são construídos a partir da interação do sujeito com os diversos ambientes sociais e se processa durante as experiências diárias.

Assim, o projeto tem por público-alvo crianças de 10 a 12 anos e que estejam frequentando regularmente o 6º ano da 2ª Fase do Ensino Fundamental, pois é a partir do 6º ano que se inicia a análise mais crítica no processo educacional, abandonando-se a abordagem lúdica e generalista, para se partir para uma análise, como se disse, mais crítica e abstrata, em todas as disciplinas abordadas. Ademais, a Psicologia ensina que é a partir dos 9/10 anos que a criança passa a desenvolver a moral, alicerçada no respeito e compreensão das regras; ou seja, o raciocínio moral está relacionado com o desenvolvimento cognitivo e com a idade, tomando-se a moralidade como um conjunto de princípios ou ideais que auxiliam o sujeito a distinguir o que é certo e o que é errado e, por fim, agir em conformidade com esse raciocínio.

A esse respeito, Piaget desenvolveu a teoria de que as crianças, a depender da idade biológica, apresentam diferenças formas de apreender e respeitar regras, passando pela fase de heteronímia e autonomia moral. Na primeira fase, a criança obedece a regras de uma autoridade superior. Essas regras são imutáveis e sagradas e quando ocorrem infrações há punições e castigos. Nesta fase, a criança não tem em conta a intencionalidade da ação. Já na segunda fase, de autonomia moral, o raciocínio do sujeito apoia-se no respeito mútuo e na decisão acerca do ato (certo ou errado) e já tem em conta a intencionalidade da ação.

Portanto, tem-se que a faixa-etária ideal para trabalharmos o reforço positivo acerca do comportamento correto e ético é exatamente a partir dos 10 anos de idade e que a melhor forma de alcançar esse público é a partir do ambiente escolar. E como o que se propõe é permitir à criança, na fase inicial em que desenvolve o senso crítico, a construção de valores pautados na ética por meio do reforço positivo de comportamentos adequados, ressai evidente que o ambiente mais adequado é a escola, a segunda instituição, após a família, que tem esse dever e essa possibilidade, de construção de valores.

No ano de 2018, implementamos um projeto-piloto, alcançando 12 escolas (sendo cinco municipais e sete estaduais), sendo certo que, diante da grande aceitação e dos resultados animadoras, no ano de 2019 conseguimos trabalhar com todas as 32 escolas públicas municipais e estaduais de Rio Verde que possuíam turmas de 6º ano (incluindo as escolas da zona rural e dos Distritos de Lagoa do Bauzinho, Ouroana e Riverlândia).

O projeto contempla três aulas, ministradas durante o ano letivo. A primeira aula trata do tema ‘SOLIDARIEDADE, EMPATIA e RESPEITO À DIFERENÇA’. Ao final da aula, é feito um desafio aos alunos, com o objetivo de envolvê-los mais na temática e de permitir a eles pôr em prática o que aprenderam: cada aluno deveria ajudar ao menos três pessoas. Esse desafio embasou-se no filme “Corrente do Bem”, lançado em 2000, que retrata a história de um professor de Estudos Sociais do 7º ano que em seu primeiro dia de aula faz um desafio aos alunos: desenvolver um trabalho com o objetivo de mudar o mundo. Durante a aula é apresentado aos alunos um trecho desse filme.

Na oportunidade, também é entregue aos professores do 6º ano material, mais precisamente uma mídia, contendo textos, vídeos, músicas, exemplo de dinâmicas e atividades a serem desenvolvidas em cada disciplina, reforçando o tema tratado.
O segundo conteúdo ministrado tratou do tema ‘ÉTICA NA ESCOLA E NAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS’. Após a ministração desse conteúdo, assim como fizemos no primeiro momento, ao final da aula é deixado um desafio aos alunos, com o objetivo de envolvê-los mais na temática e permitir a eles pôr em prática o que aprenderam.

Em 2018, o desafio foi: cada sala deveria elaborar um Código de Ética. Seria um trabalho em grupo, em que cada turma apresentaria um texto, no qual descreveriam as condutas certas e erradas dos alunos e professores na sala de aula e na escola. O trabalho foi apresentado quando da ministração do terceiro e último conteúdo e, após, fizemos um levantamento das propostas apresentadas pelos alunos de cada escola e encaminhamos à respectiva Direção, para que pudesse analisar a possibilidade de serem incluídas dentro do código de ética da instituição.

Em 2019, mudamos o desafio: cada sala deveria elaborar uma campanha de incentivo a condutas éticas no ambiente escolar, o que poderia ser feito por meio de cartazes, dinâmicas, filmes, músicas, texto jornalístico, poesia, redação, etc. O resultado foi apresentado quando da ministração do terceiro e último conteúdo e, após, escolhemos os melhores trabalhos, que foram disponibilizados para a Secretaria Municipal de Educação de Rio Verde e para a Subsecretaria Regional de Educação, para serem divulgados e replicados nas escolas, além de os trabalhos selecionados serem divulgado no sítio oficial do Ministério Público do Estado de Goiás e expostos na sede das Promotorias de Rio Verde.

Importante registrar que, quando da ministração desse segundo conteúdo, da mesma forma foi entregue aos professores do 6º ano uma mídia, contendo textos, vídeos, músicas, exemplo de dinâmicas e atividades a serem desenvolvidas em cada disciplina, reforçando o tema tratado.

O terceiro e último conteúdo ministrado trata do tema 'Corrupção' e se desenvolve seguindo a mesma sistemática das aulas anteriores. Entretanto, nessa oportunidade, além de abrirmos a oportunidade para a apresentação dos trabalhados feitos (desafio apresentado quando da ministração da segunda aula), é apresentado o filme A FÁBULA DA CORRUPÇÃO, desenvolvido pela Controladoria Geral da União e a aula se desenvolve com um debate aberto com os alunos, buscando fazer a aplicação da fábula à nossa realidade.

O projeto, segundo a própria comunidade escolar, trouxe resultados visíveis animadores na melhora do comportamento dos alunos e dos professores e pudemos verificar que os educadores se preocupam com a formação ética dos educandos e que estes, por sua vez, são conscientes da necessidade de respeitarem o próximo.

Isso apenas confirma que a construção de valores humanos no cotidiano escolar reflete uma prática pedagógica que deve ser estabelecida de modo contínuo pelos envolvidos neste processo, até mesmo porque a escola é, por natureza, uma instituição impregnada de virtudes intelectuais que auxilia na proliferação de virtudes e caráter.

Por Renata Dantas de Morais e Macedo, Promotora de Justiça do MPGO, Idealizadora do Projeto "Educação de Valores".

Comentários