Receba nossas Postagens por E-mail

A ELITE FASCISTA: a tentativa de golpe de Estado orquestrado pela elite econômica dos Estados Unidos em 1934.

O nazifascismo, fenômeno político comum na primeira metade do séc XX, era caracterizado como uma ideologia que sufocava as liberdades civis dos cidadãos bem como institucionalizava a contrarrevolução no Estado, opondo-se a todas as ideias não presentes no ideário fascista, seja no plano doméstico ou internacional. Seu objetivo máximo era implementar ou manter uma ordem mundial condizente aos seus princípios e interesses nacionais, bem como a segurança e prosperidade do Estado fascista. 

Ao longo do século XX, quatro Estados foram abertamente seguidores do modelo fascista: Alemanha (liderada por Adolf Hitler – o nazismo, subespécie do fascismo por englobar o antissemitismo); Itália (chefiada por Benito Mussolini); Espanha (comandada por Francisco Franco) e Portugal (administrada por António Salazar). Para além desses quatro, houve alguns outros países cujos líderes, embora não abertamente fascistas, simpatizavam ou ao menos seguiam parte das ideias fascistas (como o caso de Getúlio Vargas no Brasil). 


A IMPORTÂNCIA DA INTERNET NAS ELEIÇÕES

Criada na metade do séc. XX, a rede mundial de computadores (internet) foi originalmente concebida para uso exclusivo das forças armadas de diversos países, evitando a concentração de informações em um único local, bem como o receio de serem subtraídas ou destruídas. O sistema permitia, assim, a criação e circulação de informações de forma totalmente independente de uma “central”.

A medida que a internet foi deixando seu caráter exclusivamente militar e adentrando na vida civil, ela causou uma revolução na forma em que as comunicações eram repassadas, pois antes mídias como o rádio e a televisão apenas transmitiam informações aos seus ouvintes/telespectadores sem dar a eles qualquer participação (lógica comunicativa monológica), a internet e (principalmente) as redes sociais permitiram que as pessoas que recebessem as informações também fossem capazes de criar informações e enviá-las para outros, constituindo uma lógica comunicativa dialógica: quem recebe informações também pode emitir. Como se pode imaginar, não demorou muito para a internet também ser utilizada para o campo político.


21 DE SETEMBRO: DIA NACIONAL DE LUTA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

 


Para quem não tem desafios no corpo ou na mente imagine por um momento:

  • Andar com um peso de 2kg em cada perna ou mesmo não conseguir andar;
  • Ler um livro com letrinhas miudinhas e cores que sua visão não conseguiria alcançar;
  • Querer se comunicar e a voz não sair;
  • Ter dificuldades em entender e se comunicar com as demais pessoas, ou mesmo perceber a realidade que o cerca de uma forma diferenciada.

Como seria a sua Vida, e quais serviços você gostaria que lhe fossem ofertados? A escola que você cursou estaria preparada para lhe receber ou mesmo a unidade médica que você frequenta, bem como sua família?

Essas e outras situações fazem parte da Vida de milhares de pessoas em todo o mundo.


ACONTECEU NA HISTÓRIA - "CARTA MAGNA, REI JOÃO SEM TERRA E O PAPADO"

 


A assinatura da Carta Magna, em 1215, é considerada a primeira constitucionalização ocorrida na história pelo Direito, tendo sido realizada por meio de pressões entre os nobres ingleses sobre o Rei João Sem Terra, que não teve escolha além de reconhecer uma limitação de seu poder para permanecer no trono. Porém, o que poucos sabem é que o papado também teve uma pequena participação nessa história, de uma forma bem curiosa. Veremos isso a seguir.

Na Inglaterra do século XIII, o dinheiro estava sempre em falta. O rei Ricardo Coração de Leão (muito famoso por seu papel nas cruzadas, onde forçou um empate com Saladino de modo a permitir que Jerusalém continuasse aberta aos peregrinos cristãos mesmo estando sobre controle islâmico) havia utilizado a maior parte do tesouro real para financiar suas guerras, deixando seu sucessor, João, em extremos maus lençóis.


ACONTECEU NA HISTÓRIA - INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

 

A independência do Brasil sempre chamou a atenção em razão de seu grande contraste com a independência da maioria das demais nações do continente americano. Enquanto quase todos travaram guerras com suas, até então metrópoles, para obter sua liberdade, o Brasil simplesmente negociou com Portugal, conseguindo sua independência, em troca do pagamento de uma indenização simbólica, cujo valor foi “oferecido” por banqueiros ingleses, pacificamente. O único outro País que teve uma independência parecida no continente foi o Canadá (que foi ganhando mais e mais autonomia até se converter em um Estado próprio no século XX).

Uma das principais razões da independência do Brasil ter sido no aspecto negocial foi que aquele que viria a se tornar o primeiro imperador do Brasil, Dom Pedro, era filho do rei de Portugal, Dom João VI, e como é de se imaginar, um filho não gostaria de entrar em guerra com seu pai, e vice-versa. Mas o que levou um príncipe de Portugal a buscar a independência de uma colônia e vir a se tornar imperador do Brasil? É o que veremos a seguir.